Crédito Online

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Prestação da casa desce

Versão para impressão

As taxas Euribor, os indexantes mais usados no crédito à habitação em Portugal, atingiram ontem mínimos históricos. A Euribor a seis meses, à qual a maioria dos empréstimos bancários para comprar casa está indexada, está nos 1,02%. Isto significa uma poupança de 242 euros num empréstimo de cem mil euros, face à prestação de há um ano.

Em Outubro de 2008, quando a Euribor a seis meses atingiu um recorde de 5,1%, qualquer português que tivesse contraído um empréstimo à habitação a trinta anos e com um spread de 1% pagava 611 euros. Agora, para os contratos que vão ser revistos já em Outubro, as famílias portuguesas com as mesmas exigências bancárias vão pagar 369 euros. Uma diferença de 242 euros.

O corte na prestação é ainda maior para quem pediu 150 mil euros ao banco a trinta anos, com o mesmo spread. A queda constante da Euribor vai permitir uma poupança de 362 euros, dado que em Outubro de 2008 a prestação era de 916 euros e agora passa a 554 euros.

Os portugueses com empréstimos que tenham de ser revistos em Outubro vão beneficiar da média da Euribor em Setembro, que deverá rondar o 1%.

Mas quem agora vier a contrair um crédito à habitação já não terá qualquer benefício resultante da quebra da Euribor. Isto porque os bancos chegam a aplicar spreads três vezes superiores, comparando com os valores praticados no início do ano, de forma a compensar exactamente a tendência de descida nas prestações mensais.

Fonte: Correio da Manhã

 

Taxas Euribor voltam a descer

Versão para impressão

Depois de ontem a maturidade a doze meses ter registado a primeira subida em onze sessões, as taxas Euribor regressaram hoje às quedas, atingindo novos mínimos.

A Euribor a doze meses recuou para os 1,32%. Já a Euribor a seis meses, a mais utilizada no crédito à habitação em Portugal, recuou para 1,101%, o valor mais baixo de sempre, enquanto que a taxa a três meses, usada sobretudo nos empréstimos às empresas, desceu para 0,838%, também o valor mais baixo jamais registado.

No sábado passado, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, alertou para a fraqueza da recuperação económica, afirmando que o futuro é “muito incerto” e que a autoridade monetária europeia não irá alterar tão cedo as suas medidas de estímulo monetário. Para os analistas, estas afirmações significam que banco central não irá subir tão cedo as suas taxas de juro.

Fonte: Económico

 

Euribor em queda

Versão para impressão

As taxas Euribor caíram hoje em todos os prazos. O indexante a 6 meses foi o que mais desceu e está nos 1,130%. A Euribor a três meses, usada sobretudo nos empréstimos às empresas, caiu para 0,883%. Já a maturidade a doze meses desceu para 1,353%.

Na semana passada, o BCE decidiu não mexer na sua taxa de juro de referência, tal como era esperado, mantendo-a em 1% pelo terceiro mês consecutivo. Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, voltou a afastar o cenário de deflação, prevendo que a actual situação "tenha vida curta" e que a estabilidade de preços seja alcançada no "médio prazo".

Depois de esgotada a margem para descidas significativas das taxas de juro de referência e perante a rápida desaceleração da actividade económica nas principais economias mundiais, os bancos centrais dos EUA, Zona Euro e Reino Unido embarcaram em estratégias alternativas de sustento à economia através da compra de activos e da alteração das condições de cedência de liquidez ao sistema bancário.

As Euribor costumam seguir a taxa de juro de referência do BCE e influenciam directamente a prestação da casa das famílias e o custo dos empréstimos dos bancos às empresas.

Fonte: Económico

 

Adiantamento do IRS - Finibanco

Versão para impressão
Crédito Pessoal Adiantamento do IRS

O Crédito Pessoal Adiantamento do IRS do Finibanco é muito avançado. Aliás, é tão à frente que até permite adiantar o reembolso do IRS.

Deste modo, todos os Clientes que tenham prevista a devolução de verbas por parte do Estado poderão agora usufruir do Crédito Pessoal Adiantamento do IRS referente a esse montante, em condições extremamente vantajosas.

Crédito Finibanco
 
  • Montante de Financiamento
    - 90% do valor de IRS a receber, com um máximo de 5.000 € e um mínimo de 500 €.
  • Prazo
    - Mínimo de 3 meses e máximo de 8 meses.
  • Reembolso
    - Prestação única de capital e juros na data de vencimento do contrato.
  • Sem Prestações Mensais

Não dispensa a consulta das condições de financiamento do Finibanco.
 

I.R.Yes! - Capital Mais

Versão para impressão
O que é o IRYes!

O I.R.Yes! é uma linha de crédito que se destina a financiar até ao montante que irá receber de reembolso de IRS, com um limite máximo de €5.000. Pode dispor antecipadamente do dinheiro que irá receber, pagando apenas pequenas mensalidades a partir de €15,25 (exemplo para um financiamento de €500).

Capital Mais

Como funciona o IRYes!

No momento do reembolso do seu IRS, ou até 31/10/2009, tem toda a flexibilidade para optar por amortizar o seu crédito sem quaisquer custos. No caso de optar por não amortizar o seu I.R.Yes!, ficará com uma linha de crédito em que as mensalidades baixam com o tempo porque paga apenas pelo dinheiro que está a utilizar (veja aqui a tabela a aplicar neste caso), podendo a qualquer momento voltar a utilizar o dinheiro que já amortizou.
Continuar...
 


Pág. 1 de 6

Sondagem

Que tipo de serviço procura?
 



Notícias

Entrou recentemente em vigor a lei da renegociação de crédito, que define que os clientes podem tentar obter novas condições para os seus empréstimos sem que os bancos possam cobrar qualquer valor. Saiba em Renegociação de Crédito Habitação.